10 Passos para o Veganismo

Aqui vão alguns itens fundamentais para o antes e o depois do veganismo. O processo de mudança está além da conscientização. Cada vegano mudou em si mesmo conceitos e idéias e antes de conversar com alguém não vegano precisamos ver os caminhos a percorrer. Coloco aqui 10 itens que servem como pontos chave para se compreender o que aconteceu com cada um de nós ao mudar de atitude frente a vida.

1) Questionar a si mesmo.

O primeiro item vale para qualquer momento da vida seja ele vegano ou não. Enquanto não estivermos abertos às possibilidades seremos escravos de nossas ideologias. Questione seu não-veganismo, questione seu veganismo. Quanto mais nos questionamos, mais forte nos tornamos, mais sólidos serão nossos argumentos.

2) Reconhecer que nem tudo que é praticado e considerado normal pela maioria é verdade inquestionável

A história conta muitos casos de situações normais que com o tempo se tornaram absurdas. Tempos atrás as pessoas discutiam se a escravidão deviam acabar ou não. O óbvio esconde comodismo irrefletidos unipartidários.

3) Reconhecer que os animais são indivíduos

Animais raciocinam, tem sentimentos, são filhos da mesma mãe terra que todos nós. A história sempre relegou um segundo plano aos animais. A frase “ser tratado como bixo” demonstra que nós aceitamos que animais são seres inferiores e que ser tratado como eles é ruim. Porém os critérios que utilizamos para chamar nossos irmãos de irracionais é quando comparados com o ser humano. Animais não humanos são diferentes e sua individualidade é também diferente. Assim como não entendemos o porque os animais fazem o que fazem, eles também não entendem porque somos como somos.

4) Aprender a colocar-se no lugar do outro.

Quando reconhecemos os animais como indivíduos então chega o momento de pensar sobre o que é para um animal não humano o que ele sente quando percebe que será morto. O que ele pensa sobre ficar confinado em jaulas. Animais não falam. Isso não nos dá o direito de presumir que eles são nossa propriedade. Como é ser mercadoria? Como é por preço na nossa vida? Como os escravos humanos se sentiram ao serem enjaulados e ensinados a obedecer?

5) Reconhecer que ficar sem alimentos de origem animal não o farão morrer

Veganos tem todas as proteínas necessárias à vida, tem cálcio, tem ferro, etc. Por diversas razões as pesquisas sobre a vida sem exploração de animais não humanos não foi de interesse. Mitos de todos os tipos estão cada vez mais desmitificados. A regra geral para toda a população do mundo é: quem se cuida tem saúde, não importa o estilo de vida.

6) Reconhecer que ficar sem alimentos de origem animal não o deixarão fraco e afeminado

Está no inconsciente social que animais como o leão que come carne é forte, ele é caçador, poderoso, etc. Comer vegetais está associado com frescura, coisa de mulher em dieta. As pessoas tem o prato repleto de vegetais e nem se dão conta. Comem batata, arroz, feijão e tantos outros vegetais sem perder a masculinidade. Basta ver que com a alimentação atual há todos os tipos e estilos de pessoas que se alimentam de carne. Afinal, desculpem o linguajar e sem querer ofender ninguém, mas “gay também come carne!”

7) Reconhecer que largar os alimentos de origem animal não é uma perda no sabor e prazer de viver

A inteligência dos seres vivos nos levou à lua, criou os computadores, criou sociedades complexas e essa mesma inteligência diante de desafios cria soluções incríveis. A alimentação continua saborosa e atrativa. Descobrir sabores, inventar receitas, criar novas formas de comer são uma fonte inesgotável de conhecimento que enquanto estivermos vivos continuaremos praticando. Comer comidas pouco saborosas é um mito. Os vegetais não se resumem a folhas sem gosto. Nunca podemos nos esquecer que batata frita é uma das preferências mundiais. E tanto a batata quanto o óleo em que é frita são vegetais.

8) Reconhecer que entre o próprio paladar e a vida de outro ser, a vida do outro ser é mais importante

A ordem de valores neste momento é fundamental. Ao reconhecermos que a vida sem base de animais é possível, que teremos uma alimentação gostosa, que os animais são indivíduos, se torna necessário respeitar a vida do outro mais do que proteger a vontade de matar um indivíduo pelo prazer do sabor.

9) Reconhecer que o ato de uma única pessoa é importante numa grande batalha

Todo vegano reconhece que hoje talvez sejamos poucos, mas ao mesmo tempo ele percebe que é colocando um tijolo de cada vez que ao fim teremos uma grande casa. Um dia a palavra vegano foi dita entre amigos, hoje ela é pronunciada em todos os continentes. E se você está lendo isso é porque ela continua mais e mais se expandindo.

10) Reconhecer que a vida não perde o prazer e a beleza após a mudança de hábitos

A razão de viver e respeitar o próximo está acima do que nós comemos. Temos muitas conquistas, muitos enigmas no universo, desafios para encarar. Quando conseguimos o que é bom para nós e ao mesmo tempo bom para os outros atingimos um novo nível de prazer que é o prazer ético. Ele não é uma risada, um orgasmo, um sabor, mas ele igualmente trás uma satisfação indescritível. Ela está oculta em todos nós esperando que a despertemos.

Estes 10 itens creio serem a base de quem se tornou vegano e em algum destes itens encontra-se a resposta que explica o porque das pessoas que tanto se defendem argumentando contra. Felizmente o veganismo por defender a vida trás em si um dos valores humanos que mais prezamos o que faz com que o nosso ideal tenha vitória certa. A vida é algo sem explicação que estamos sentido o tempo todo dentro de nós mesmos e saber que esta vida inefável habita tantos outros seres além da nossa espécie só torna o mundo mais complexo e belo.

Para terminar, para que tudo isso tenha efeito, precisamos praticar a coerência de ação e pensamento. A felicidade real depende disso. Encontramos amor verdadeiro, satisfação verdadeira quando somos coerentes. Não omita para si mesmo sua bondade interior querendo sair. Ela trará a conquista da plenitude que todos temos guardado dentro de nós.

É isso

Beto do Planeta Ideal

10 Passos para o Veganismo

1) Questionar a si mesmo.
2) Reconhecer que nem tudo que é praticado e considerado normal pela maioria é verdade inquestionável
3) Reconhecer que os animais são indivíduos
4) Aprender a colocar-se no lugar do outro.
5) Reconhecer que ficar sem alimentos de origem animal não o farão morrer
6) Reconhecer que ficar sem alimentos de origem animal não o deixarão fraco e afeminado
7) Reconhecer que largar os alimentos de origem animal não é uma perda no sabor e prazer de viver
8) Reconhecer que entre o próprio paladar e a vida de outro ser, a vida do outro ser é mais importante
9) Reconhecer que o ato de uma única pessoa é importante numa grande batalha
10) Reconhecer que a vida não perde o prazer e a beleza após a mudança de hábitos

Beto do Planeta Ideal

Anúncios

One response to this post.

  1. Posted by Aline on 21/05/2012 at 11:34 PM

    Adorei o texto, Beto. De uma empatia, simplicidade e sensibilidade incríveis. Parabéns, querido.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: