Você sente “peninha” dos animais, é?!

O tempo vai passando e alguns assuntos vão dando voltas e cada vez a compreensão de tudo que estamos vivendo se aprofunda.

Então aqui fica uma dica rápida sobre “protetores dos animais” e “defensores dos direitos dos animais”!!!

Estas duas coisas estão misturadas conceitualmente nas nossas atitudes. Uma pessoa pode ter ambas características ou apenas uma.

O Protetor dos Animais não necessariamente é um defensor dos direitos dos animais. Mas como assim? Um protetor dos animais pode tratar cães de rua, pode fazer uma passeata sobre bem estar, mas não necessariamente ele se tornará vegano e lutará pelo fim de rodeios, testes em laboratórios, etc.

Já o Defensor dos Direitos dos animais procura entender que animais independente de qualquer relação afetiva entre eles e os seres humanos, mesmo sem nenhum vínculo qualquer, o ser humano não pode se apropriar de tal ser como produto, objeto ou procurar neles fins humanos. Ele tem uma ética que amplia para os seres capazes de sentir, ou seja, os seres sencientes.

Essa separação de pessoas “apaixonadas” por animais e de defensores dos Direitos dos animais é importante. Um vegano não precisa ser apaixonado por animais, apesar de muitas vezes o ser. O vegano defende o direito dos animais.

Quando alguém chega para você e diz “ahhh, ia te chamar para um churrasco mas você não come carne”. Seria interessante que nós fizéssemos a seguinte correção: Eu defendo o direito dos animais. Responder apenas isso seria uma maneira de desestimular a associação de carne e veganismo. Veganismo fala de animais de circo, de pesquisas, de muito mais. Quando juntamos estes pontos, animais e comida, insistimos nas divergências. Porém se falamos de direitos dos animais, as pessoas gostam dos animais, então entramos nas convergências. Estrategicamente é bom buscarmos os pontos em que as pessoas concordam e depois ampliar. Divulgar os Direitos dos Animais vai naturalmente veganizar o mundo. Ser vegano vai naturalmente fazer as pessoas pensarem. Apenas faça com que elas pensem na coisa certa: o direito dos animais!

Esta diferenciação pode ser muito útil porque as pessoas usam o mito que “vegetais são ruins”, mudam de assunto para se protegerem de falar sobre o que vão deixar de comer e acabam ficando sem falar sobre os direitos dos animais que é algo mais amplo. Se ficamos tentando convencer alguém a se tornar vegano, podemos cair no erro de insistir em fazer a pessoa comer comida vegetariana. E na verdade o ponto central é defender o direito dos animais. E isto não tem nada a ver com sentir “peninha” dos animais.

A pessoa pode estar propensa a defender o fim dos rodeios, dos testes com animais e muitas ações, vamos aproveitar os pontos em comum e deixar que estes múltiplos pontos encontrem o caminho único que cada um de nós tem dentro de si para encontrar a compreensão das coisas!

Por hora é só essa dica rápida, porém bastante relevante!

Go vegan!

Beto do Planeta Ideal

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: