Diz que não maltrata, mas pisa com toda a força.

Uma das coisas que mais chama a atenção quando se fala em animais é ver as pessoas dizerem que gostam e não maltratam os bichos. Porém notamos um certo “relativismo” nesse bem estar. Tratar bem um animal nem sempre é igual tratar bem um ser humano.

Quando as pessoas falam em tratar bem os animais e cuidar bem das vacas nas fazendas, elas pensam naquela fazendinha no fim do mundo com apenas uma vaquinha chamada mimosa que é a alegria da família. Que a família gosta da vaquinha e cuida bem dela. Bom, voltando ao mundo real, vamos ao que interessa.

Recentemente li uma matéria dizendo que os pecuaristas estavam preocupados com a emissão de gases de seus animais, porque agora eles perceberam que é aquela história de “pum de vaca” é sério. E a Rio 20+ fez estes trabalhadores da pecuária pensar.

Eles então ficaram intrigados e para contribuir com uma menor emissão de gases eles decidiram que precisavam fazer algo. O que os veganos tem sugerido? Terminar com as fazendas. Mas essa possibilidade certamente não interessa à um pecuarista, nem as pessoas que não estão pensando em largar a carne.

Então eles poderiam comer menos carne e com isso poluir menos. Não, essa opção também não é interessante. Qualquer coisa que diminua as vendas está fora de questão. E comer menos carne também não é uma opção.

Vacas e o Efeito Estufa

Neste caso o jeito é modificar o “MANEJO” do gado. E aí surgem as idéias mirabolantes. Cientistas então começam a produzir conhecimento nessa área e a conclusão é sempre a mesma. Modificar o OBJETO vaca em uma coisa menos poluente. Igual a uma pessoa pensa numa forma melhor de estudar, em uma forma mais barata de produzir um tênis, um fazendeiro pensa em uma forma mais lucrativa e menos poluente de produzir o OBJETO vaca.

Então uma das respostas das industrias pecuárias foi o seguinte. Descobriram que, e aqui cito na integra o documento publicado na internet o qual a fonte estará no final deste artigo:

“Criação de bezerras e novilhas

Novilhas antes de darem sua primeira cria são “vilãs” do ponto de vista ambiental e econômico, pois necessitam de alimentos, medicamentos, emitem gases de efeito estufa via digestão de alimentos e fezes e ainda não produzem leite. Portanto diminuir a idade do primeiro parto é uma das estratégias para aumentar a eficiência do sistema.

Existem várias maneiras de reduzir a idade do primeiro parto, dentre elas o manejo correto e a alimentação de bezerras e novilhas. Vários estudos mostram que se forem oferecidos alimentos em quantidade e qualidade adequada, inclusive com administração de colostro de boa qualidade nas primeiras horas de vida do animal, há redução na idade do primeiro parto sem causar redução na produção de leite. Alguns estudos indicam até mesmo aumento de produção de leite logo na primeira lactação.

Diminuir a idade ao primeiro parto e ainda aumentar a produção de leite na primeira lactação contribuem para aumentar a eficiência de produção de leite durante a vida útil do animal e diminuir a quantidade de gases do efeito estufa por cada kg de leite produzido.”

É claro que se alguém falasse em reduzir a idade do primeiro parto de uma mulher humana seria uma grande polêmica, porque estaríamos usando as mulheres como objetos, que as crianças estão perdendo a sua infância, que hoje o mundo não é mais o mesmo e toda aquela história. A questão é que para as vacas esse tipo de dado sequer ficamos sabendo. E quando ficamos sabendo é apenas mais uma notícia sobre a inteligência do homem dominando objetos vaca. Ou no mais geral receberá um comentário do tipo: “o que eu tenho que ver com as vacas? Quero mais é comer meu bife” mostrando o entusiasmo típico que as pessoas tem ao pensar nos outros seres vivos do planeta.

Então se a vaca solta gases o jeito é transformar essa vaca em um animal que não solte gases.

Aí algumas pessoas dizem que são a favor do bem estar animal, de cuidar bem deles. Mas o que é este bem estar animal? Modificar a alimentação do animal e fazer ele dar cria antes do momento natural é tratar bem? Tratar bem é fazer o que bem entende com o animal com “todo o carinho”? Antecipar a gestação da vaca com muito amor? Fazer ela dar mais leite do que daria estufando suas tetas com muita alegria? É isso?

Ainda se fosse isso seria mais romântico do que realmente é. Porque a palavra amor não será citada em todo o site MilkPoint para se referir ao tratamento aos animais. E pelo contrário a vaca será sempre um objeto de lucro, um problema ambiental, um fator econômico.

Tratar bem um animal não tem nada a ver com uma indústria que só se mexe pelo bem estar dos animais quando a propaganda na TV está denunciando algo que faz cair as vendas. Esta mobilização promovida pela TV é a que mantém todas as pessoas pensando na Mimosa, na fazendinha nos cafundó do Brasil. Quando um ambientalista diz que o manejo animal está correto então significa que antecipar a cria da vaca, estufar as tetas dela de tanto leite, que isso não é errado. Isso é correto. Mais leite para nós humanos. O que tem de errado nisso?

Eu sei que é difícil ouvir isso, mas a Mimosa não existe mais. Eu sei que você sentiu vontade de chorar a noite toda após ouvir isso e como demonstração da sua comoção deu até um bocejo. Mas o que existe é um objeto que produz objetos para ser trocados por objetos e comprados por objetos. Estes últimos objetos alguns arriscam chamar de seres humanos.

Manipular um animal que não está em condições de reagir não é um direito humano: é um abuso que vem ocorrendo desde sempre. E esse desde sempre tem sido o argumento principal para não mudar nada: “as coisas sempre foram assim”. Certamente o mundo como é hoje é diferente de todo o passado. O mundo nunca foi assim. Não faz sentido dizer que as coisas sempre foram assim. Parar de mentir para si mesmo é uma das mudanças necessárias.

O direito dos animais é um olhar real para estes seres. Sem fingir que não está vendo a inteligência do animal, sem fingir que não percebe o abuso que é tratar animais da forma como são tratados. Claro, animais não humanos. Animais humanos são uma grande relíquia a qual é protegida por lei de todos os abusos que cometemos contra os animais não humanos.

É disso que estamos falando. Chega de dizer que não maltrata e utilizar os animais causando dor e sofrimento sem piedade a bel prazer.

Se é preciso reduzir a emissão de gases não é tornando a vida do animal um inferno pior do que já é que vai resolver.

É isso

Beto do Planeta Ideal

Link sobre como explorar objetos vaca para diminuir a emissão de gases do efeito estufa:
http://www.milkpoint.com.br/radar-tecnico/sistemas-de-producao/aumentar-produtividade-e-ao-mesmo-tempo-diminuir-a-emissao-de-gases-que-contribuem-para-o-efeito-estufa-e-possivel-79623n.aspx

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: