O Segredo para se tornar Vegano

Nesses dias pude assistir um filme da Disney Nature chamado ‘Chimpanzee’. Como todo filme Disney já esperava por aquele romantismo tradicional, moralista e capitalista de sempre. E de fato neste sentido não havia nada de novo no documentário. Aquela idéia de ver os chimpanzés explicando suas atitudes como se eles fossem humanos, buscando humanizar o macaco como sempre. Eles buscam isso porque desta forma os filmes deixam a ideia de que “até os animais são como nós” com a intenção de reforçar uma série de valores moralistas. Feita esta introdução vamos ao que interessa.

Então naquele filme de documentário moralista de sempre eles começaram a acompanhar um chimpanzé e sua mãe, mostrando como ela ensinava o bebezinho a ser um chimpanzé adulto, através de seus atos e seus cuidados.

Nesta história feliz que ia ser contada com começo meio e fim, levando o jovem chimpanzé até a idade adulta ocorre algo inesperado: a mamãe chimpanzé morre. E o filhotinho protagonista do filme, após ser rejeitado por todas outras mães, está fadado à morte. Diz a matéria da National Geographic (NG) sobre o filme: “Por trás das câmeras também bateu a desesperança, e os diretores Linfield e Alastair Fothergill pensaram que o filme acabaria ali.”

Os machos preocupados em proteger o território, liderados pelo que a ciência chama de macho alfa que seria o mais alto nível dentre os animais, e as fêmeas ocupadas com seus filhotes pouco se importaram com o bebezinho que aos poucos ia ficando magro a ponto de morrer. O pequeno buscando por atenção tenta de toda forma fazer amizade com outros chimpanzés filhotes e nada.

Porém o inesperado estava por vir. O pequeno havia tentado buscar a atenção de todos menos do líder: o macho alfa. E quando em sua última tentativade sobreviver ele então se aproxima do maior chimpanzé daquele grupo, o responsável pela segurança de todo o bando. E eis aí que o grandalhão por alguma razão adota o pequeno. Colocando em risco todo o grupo, divide sua atenção com o pequenino.

E aí que entra o segredo vegano. Segundo a mesma matéria da NG eles afirmam: “O comportamento é extremamente incomum para um líder, que precisa manter a coesão entre os machos do grupo para garantir proteção territorial, explica Jane Goodall, primatóloga, etóloga e antropóloga britânica, uma das maiores autoridades do mundo em comportamento de chimpanzés. E Christophe Boesch, que estuda os primatas há mais de 30 anos no Parque Nacional de Taï, diz nunca ter visto um macho como o Freddy (nome dado ao macho alfa do filme) assumir papel de mãe com tamanha afeição.”

Porque este é o segredo vegano? Porque o vegano assim como o macho desse bando decide sair dos trilhos e seguir um novo caminho. Ele põe o comodismo de ‘continuar sendo como tudo sempre foi’ de lado e assume uma nova perspectiva.

Podemos perceber, analisando o comportamento dos animais, que todos tem um grau de inteligência e um grau de atitudes mecânicas. Alguns animais são mais mecânicos e pouco inteligentes, porém outros diminuem suas atitudes robóticas e ampliam as ações pensadas, o raciocínio e a reflexão. Talvez a palavra inteligência não seja a melhor a se empregar, e a palavra mecânico também não. Mas de maneira geral conseguimos perceber que existe mais ou menos liberdade de escolha em determinado animal do que em outro. Só para dar a entender do que estou falando precisamos lembrar que animais não são apenas os gatos, cachorros, golfinhos, entre outros. Eles também são pernilongos, pulgas, minhocas.

E neste sentido podemos ver que alguns animais já estão num nível de raciocínio em que pode expandir seu comportamento de grupo, de espécie, para um comportamento individual e único.

Nós humanos representamos muito bem esta capacidade de sermos únicos, de cada vez mais descobrir uma verdade pessoal ao invés de nos apoiar nas verdades do grupo. Ainda somos aprendizes recém saídos das fôrmas da inconsciência, do comportamento automático. Porém estamos sendo chamados para a superação dos nossos automatismos e viver uma vida de conhecimento, inteligência, sabedoria e tantas outras possibilidades que surgem para o animal que desperta do sono de “seguir fazendo o que todo mundo sempre fez.”

Macho alfa adota pequeno chimpanzé

Macho alfa adota pequeno chimpanzé

É importante ver que o chimpanzé foi capaz de superar esta barreira. E ver que animais não humanos são capazes de superar esta barreira nos faz ainda mais responsáveis por esta tomada de consciência. Não que haja uma competição, mas nossa cultura já possui muito conhecimento acumulado em muitas áreas do nosso saber que se referem às atitudes egoístas, marcadas por pessoas que tem se recusado à refletir.

Nesse caminho em que conquistamos cada vez mais o conhecimento acerca de nós mesmos, cada vez mais compreendemos o mundo que nos cerca, estes conhecimentos nos colocam cada vez mais diante da necessidade de mudar.

É óbvio que hoje, no modelo que nós próprios construímos e defendemos, uma pessoa pode agonizar doente diante de nós e não faremos nada porque ela é pobre, porque tem cara de ladrão, porque não conhecemos. Nós mesmos criamos esta cultura e nós mesmos podemos criar outra cultura.

Não é mais uma questão de “deflagar”, de revelar nosso egoísmo. Isso já está claro que somos. Já está claro que defendemos ideias de sociedades insustentáveis que vão entrar em colapso em breve.

Podemos desenvolver entre nós a cooperação, o bem de todos. O mundo não será eternamente como é hoje. Seja por questões humanas, seja por questões ambientais, ele será diferente. E terá momentos ruins para a humanidade. Podemos hoje mudar o rumo das nossas emoções, do nosso ambiente, da nossa sociedade, para que nos momentos difíceis possamos contar uns com os outros.

Este trabalho de ampliar nossa sabedoria pelo bem de todos é uma prática voluntária, ou seja, depende da nossa vontade. Podemos mentir para nós mesmo e dizer que já estamos fazendo isso ou podemos parar de fingir e praticar as ações para um mundo melhor.

Podemos ser aquela pessoa que, como o líder do bando dos chimpanzés, ninguém esperava algo de solidário. E às vezes por uma falsa expectativa de que o líder seja egoísta, nós mesmos afirmamos que devemos ser também. Mas podemos sair do automático e, a exemplo dele, nos afirmar como agentes da nossa história. Esta é uma capacidade humana surpreendente: nós estamos construindo o futuro e não meramente vivendo de acordo com o que o planeta oferece. Atualmente a maior corrente que nos afasta da bondade somos nós mesmos e nossas atitudes.

Vamos construir esse mundo novo. Comece já a sua mudança. Essa mudança será a nossa mudança.

Go Vegan

 Beto do Planeta Ideal

http://viajeaqui.abril.com.br/materias/chimpanze-documentario-da-disney

Anúncios

One response to this post.

  1. Posted by Somos todos um! on 20/10/2013 at 8:38 PM

    Nossa, parabéns pelo site! Nunca vi alguém que escrevesse tão bem em um site assim…alguém tão ciente de si mesmo e de mundo, tão sábio, tão tão…não tenho nem palavras para lhe descrever…Parabéns mesmo!!! Virei sua fã!

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: